sábado, 28 de outubro de 2017

Quase lá...


Dizem que começa aos quarenta...

Faltando pouco para a cara que reinventa...

dores e sabores que nos fomenta...à vida!


Seca, molhada, existente.

Gi Amor, presente!

Gi amor

terça-feira, 25 de julho de 2017

Fuderam todos... Destros e sinistros


Lá vou eu!!!
De camisa verde e amarela,
Achando que não sou plebeu...
vou bater minha panela!!!
Uníssono... Xô corrupção!
Eu odeio comunista,
Com pensamento elitista...
Me fudi!
Sou do povão...
Lutei para o patrão...
Fiz dancinha com alegria,
Estancaram a sangria...
Vou pagar o pato,
Não deu em nada a lava-jato,
Até o Jaspion me enganou!
Ai, que palho que eu sou!
Os cabeças... continuam,
E eu ainda sigo cego.
Petista, comunista...
Não arrego!
Não quero ver...
Golpe claro!
Descarado, debochado,
Pelo poder.
Um grande acordo...
Putaria geral!
Democracia e justiça comprada.
Lamentos, é o que resta...
vergonha ambidestra...

Gizelle Amorim

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Coração e Mente

Resultado de imagem para coração e visceras e mente

A poesia perde o sentido quando sufocada e aprisionada no vazio das vísceras.
O coração sente...
Mas a covarde verdade,
É cinza.
Mente.


-Gi Amor-

domingo, 31 de maio de 2015

Confusa, feliz e maluca!



Amor?
Se for, é o mais puro,
Imaturo.
A liberdade.
A fantasia,
Loucura,
Utopia romântica sem compromisso...
Querer muito Alguém,
Basta isso.
Foda-se o mal e o bem!
Além...

- Gi Amor -

sábado, 23 de maio de 2015

PODERIA


Pode?

Poder, pode.

Iria?

Poderia...

Posso!

Passo a passo,

Faço.

Sonho-o.

Vou,

Voo.



- Gi Amor -

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Amor infinito e redundante


Tão linda... Poesia redundante,
Sempre, eterna,
A minha Bela!
Hoje é o dia dela!
Mais um ano honrados com sua presença.
Destilando sua sabedoria,
Sua gentileza,
Dividindo suas incertezas...
Ouvinte como plebeia,
E mestra da realeza.
Sábia, sabe que nunca se sabe demais,
Não crê em bruxas... “Pero que las hay...”
Minha alma gêmea,
Sinônimo de paz!

Gi Amor – 17/02/2015